• Informe-se
  • Notícias do MPT/AL
  • CPRM apresenta ao MPT esclarecimentos sobre mapa integrado de feições

CPRM apresenta ao MPT esclarecimentos sobre mapa integrado de feições

Dados técnicos do mapa mostram quatro processos geológicos diferentes nos bairros e servirão de base para medidas de prioridade e monitoramento; objetivo do MPT foi identificar a delimitação geográfica e social das consequências da mineração nas regiões

Maceió/AL - A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) apresentou ao Ministério Público do Trabalho (MPT), em audiência na última quarta-feira, 5, informações sobre o mapa de feições das regiões do Pinheiro, Mutange e Bebedouro, disponibilizado pela companhia após o laudo que apontou as causas das rachaduras na região. As informações solicitadas pelo MPT integram um inquérito civil instaurado para buscar ações que minimizem os impactos socioeconômicos nas áreas afetadas e futura responsabilização com relação a trabalhadores e meio ambiente do trabalho.

O objetivo da apresentação das informações, pontuou a procuradora do MPT Rosemeire lobo, foi obter uma melhor compreensão do mapa integrado de processos, tendo em vista a necessidade da delimitação geográfica e social das consequências geradas pela atividade de mineração na região. "Estabelecidas as causas e evidenciadas as consequências, é preciso agora buscar soluções para os danos causados aos moradores e trabalhadores da região”, disse Rosemeire Lobo.

Técnicos da CPRM apresentaram à procuradora Rosemeire Lobo diferentes processos nas áreas dp Pinheiro, Mutange e Bebedouro (Rafael Maia/Ascom MPT)
Técnicos da CPRM apresentaram à procuradora Rosemeire Lobo diferentes processos nas áreas dp Pinheiro, Mutange e Bebedouro (Rafael Maia/Ascom MPT)

A partir das indicações no mapa, os técnicos da CPRM indicaram a existência de quatro processos geológicos diferentes nos bairros do Pinheiro, Mutange e Bebedouro - aceleração de movimentação do terreno, de deformação do terreno, de risco e de subsidência. Os dados do mapa estão sendo analisados pelas Defesas Civis municipal, estadual e nacional, para fins de atuação de medidas contra o problema.

Segundo a equipe da CPRM, os trabalhos de engenharia, de responsabilidade das Defesas Civis, irão delimitar as medidas de prioridade e monitoramento das áreas. A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais também informou que aguarda, da Petroquímica Braskem, o estudo de sonares ainda não realizados - 25 atuais e cerca de 100 anteriores - para refinamento e atualização das características dos eventos geológicos.

Imprimir